Por favor, não nos tirem os enchidos!

O choque! Fiquei horrorizada! Eu e tantos outros que, como eu, não podem passar sem um porco no espeto, um bife grelhado, um borrego assado, uma chouriça serrana ou um prato de enchidos.

A Organização Mundial de Saúde lançou, o que para muitos portugueses, em especial os Beirões, é considerada a Bomba Atómica da gastronomia. Abalou-nos o mundo, mas não o espírito e muito menos a gula!

Segundo esta organização produtos como as salsichas ou o bacon estão incluídos no grupo de produtos e substâncias cancerígenas, grupo onde encontramos coisas como o tabaco, amianto ou os gases emitidos pelos motores a gasóleo. Até aqui tudo bem, até porque não sou apreciadora destes alimentos (bacon e salsichas), quem não gostou foram os alemães e os ingleses que os comem ao pequeno almoço como se não houvesse amanhã. Mas, eis que a minha alma recebe um golpe duro e muito difícil de digerir – os enchidos e as carnes fumadas fazem parte do grupo igualmente!

Meu rico presunto!

E os enchidos!!!

Para os portugueses este foi um golpe muito agreste.

Mas a OMS não se ficou por aqui e sem remorso nem piedade, acrescenta que existe outro grupo de alimentos potencialmente causadores de cancro do estômago ou colo-rectal. E aqui a minha dor aumentou. As carnes vermelhas, como a carne de vaca, porco ou borrego passam a integrar a mesma lista que o glifosato (para quem, como eu, não faz ideia do que é, o wikipedia ajuda e diz que é um herbicida sistémico, não seletivo (mata qualquer tipo de planta), desenvolvido para matar ervas, principalmente as mais resistentes)!

 

“A parte racional do meu cérebro começa a entrar em confronto com a outra parte,

aquela que controla a vontade de comer coisas boas e que me fazem feliz, a da Gula.”

Uma discussão tremenda que só passou quando o estômago se intrometeu na conversa.

O resultado cifrou-se num “Parte Racional” 0 – Coligação Gula/Estômago 1”.

Fiquei deprimida, mas não, não fui curar a tristeza com uma sandes de leitão e umas rodelas de chouriça, até porque já tinha passado a hora do almoço.

Como a batalha estava a ser ganha pela gula, deixei de lado a minha paranóia alimentar que, confesso, foi esmorecendo à medida que fui lendo alguns comentários na Internet às noticias que iam sendo publicadas, com os Vegan a usarem de todas as suas armas à base de soja e tofu para convencerem os omnívoros a renderem-se à cultura, “pela sua saúde”.

Perdoem-me os vegan e os vegetarianos, mas quem tem uma sogra como eu que faz uns enchidos de fazer os anjinhos do altar cantarem hinos de glória, sabe que é um caminho sem retorno, com remorso, mas sem retorno.

enchidos

Viver nas Beiras e ouvir estas noticias é, no mínimo, doloroso. Até que, em mais um passeio pela internet, encontro uma partilha de uma noticia, de um periódico credível, sublinhe-se, que me iluminou o dia, mesmo com este outono invernoso que temos estado a sentir na cidade mais alta, com um titulo que versava o seguinte: “Vinho da Beira Interior faz bem à saúde”.

Haja alegria!

Afinal temos uma solução para o nosso problema!

““Vinho da Beira Interior faz bem à saúde”. Haja alegria!

Afinal temos uma solução para o nosso problema!”

Segundo esta noticia, os vinhos tintos produzidos na Beira Interior são um bom produto para a prevenção de doenças como o cancro do estômago, segundo um estudo de Luísa Paulo (minha nova heroína), investigadora da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior.

Ao que consta, os néctares da nossa região, principalmente os produzidos com a casta touriga nacional, possuem maiores concentrações de resverato, uma substância anti-oxidante associada à prevenção de doenças cardiovasculares e diabetes.Esta substância é inibidora da multiplicação da bactéria responsável pelo aparecimento de tumores no estômago.

Segundo a OMS o consumo de carnes vermelhas e enchidos não deve ultrapassar os 50 gramas por dia. Eu não como enchidos ou carnes vermelhas todos os dias, até porque a minha relação com a balança não é das melhores, à semelhança da maioria das mulheres, e esse tipo de alimentos, que ainda por cima gostam de andar juntos, acaba por ter efeitos na amplitude da minha anca, mas tenho de admitir que 50gr, como se diz na minha terra “não cabe na cova de um dente” e por isso nunca me fico apenas por uma ou duas rodelinhas! Posso enganar-recorrendo à matemática, admitindo que a média, ao final do ano, deve rondar os 50 gramas por dia…

Ora, meus amigos, eu não sou cientista, nem investigadora e confesso que sou, altamente, suspeita na defesa da nossa gastronomia, podendo mesmo ser irracional, mas acredito que a solução está mesmo à frente do nosso nariz, num copo de vinho da Beira Interior a acompanhar aquele prato de enchidos que está ao alcance dos nossos dedos.

Esta notícia acerca dos vinhos da Beira Interior vem apenas confirmar o que já se sabia por estas bandas, atestando que nas Beiras tudo tem peso e medida e tudo está relacionado de modo a fazer-nos felizes!

Agora já sabe. Quando comer um borrego assado, com enchidos ou presunto de entrada, acompanhe com um belo copo de vinho da Beira Interior e garanta que a sua consciência fica tranquila, pelo menos no que toca ao que a OMS assinala. No final não se esqueça de fazer exercício, porque mais vale prevenir que remediar!

A rematar esta conversa posso atualizar o resultado: “Parte racional 0 – coligação Gula/Estômago 2.

 

Tânia Fernandes

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *