De Castelo Rodrigo até Marialva

Mesmo para quem não gosta de caminhar há rotas que valem a pena ser percorridas pela sua beleza e por aquilo que nos fazem sentir e descobrir.

Hoje vou falar-vos acerca de uma das Rotas que unem duas Aldeias Históricas na região da Serra da Estrela.

A Serra por si só está cheia de paisagens de tirar o fôlego e de cantos e recantos de mistério que apaixonam quem tem a sorte de os encontrar e reconhecer, e se juntarmos a isso a beleza e mistério das nossas Aldeias Históricas o resultado só pode ser fabuloso e, como disse, mesmo que não seja adepto das caminhadas, estas rotas valem a pena pela experiência a elas associada, a experiência da vivência da própria Serra, dos seus sons, aromas e cores.

Começamos o nosso percurso na dourada aldeia de Castelo Rodrigo, deixando para trás as suas belas ruínas e casarios rumo a outra pérola desta Serra, Marialva. Esperam-nos cerca de 35 km, são 9 horas de viagem, o dia está por conta da nossa vontade e força nas pernas.

406600f11ee086d0bfe4bdacbae9fe30

Deixando Castelo Rodrigo seguimos em terra batida rumo ao vale do Côa, contornando a Serra da Marofa.

Ao entroncar com a estrada alcatroada que faz a ligação de Cidadelhe às aldeias da margem direita do rio e quando chega ao portão da Reserva da Faia Brava, juntando-nos à Grande Rota do Côa para atravessar o rio e subir a encosta. Separamo-nos dela antes de chegar a Ribeira Brava.

A área protegida da Faia Brava é um local imperdível, sendo um lugar onde podemos ver a recuperação dos habitats endógenos a funcionar.

Entremos e deliciemo-nos com os garranos, os bovinos maroneses e com as muitas espécies de mamíferos selvagens que aqui habitam. No alto, lá nos céus, as aves de rapina roubam-nos a atenção. Por aqui voam grifos, águias-cobreira, águias-calçada e o milhafre preto.

Continuemos o nosso caminho, deixando, temporariamente, a estrada para depois a cruzar ao entrar no vale da Ribeira do Porquinho e subir à localidade de Juízo.

Continuamos agora em alcatrão num percurso que atravessa a ribeira de Massueime para chegar à Gateira, seguindo terreno plano e em terra batida até junto das rotundas de acesso ao IP2.

Deixamos o alcatrão e aproximamo-nos de Marialva passando pela Devesa.

Pelo caminho até Marialva passamos pela albufeira de Stª Maria de Aguiar onde podemos observar as aves aquáticas que por aqui vivem, como o mergulhão –de-crista, o corvo-marinho-de-faces-brancas, o pato-real e a garça-real.

Estamos perto do Parque Natural do Douro Internacional e aqui podemos entrar numa paisagem bastante diversificada onde os matos de giestas se misturam com núcleos de azinheiras, alqueives, saganho-mouro e rosmaninhais.

2755f9255310ff41b5d107efd84c4b78

Podemos chegar cansados a Marialva, a certeza é que trazemos na bagagem paisagens maravilhosas e a vontade de fazer o caminho inverso. Descansemos em Marialva, aqui come-se e dorme-se bem. A hospitalidade beirã reina. Partiremos no dia seguinte.

As Aldeias:

https://heartbeat.pt/marialva/

https://heartbeat.pt/castelo-rodrigo/

 

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *