Covilhã, a Serra Cosmopolita

Quando nos aproximamos da Serra da Estrela pela sua vertente sul vemo-la no seu esplendor, trepando a Serra como quem quer chegar ao céu.

Distingue-se do resto da paisagem pela sua singularidade urbana, assumindo a sua posição de cidade serrana por excelência.

A Covilhã não passa despercebida, não apenas por ser a Porta de Entrada de quem procura o topo de Portugal Continental, mas pela sua soberania que de noite recorta em luz esta vertente.

É a cidade dos tecelões e que quer tecer o seu futuro em fios de sucesso, tal como já o fez no passado.

Quando chegamos à Covilhã sabemos que estamos na Serra da Estrela. Não porque o seu casario nos relembre isso, até porque falamos de uma cidade que se tem modernizado e pretende enfrentar o futuro como um núcleo cosmopolita que aposta na arte contemporânea e na ciência como motor impulsionador de desenvolvimento, mas porque sobe, e sobe muito!

Mas vamos até ao passado para percebermos o presente e o futuro desta “cidade de montanha”. Sabemos da importância que a industria em torno na lã teve no desenvolvimento da Covilhã, mas poucos (os de fora), sabem que este foi um dos mais importantes núcleos Judaicos do país, a par de Belmonte, Guarda ou Trancoso.

Assume-se que foi essa comunidade, muito numerosa na Idade Média, que impulsionou a industria em torno na lã, fazendo uso dos recursos que a Montanha disponibilizava e as suas características geográficas singulares, com as ribeiras da Carpinteira e de Goldra a fornecerem a preciosa água necessária a esta industria, e todas aquelas relacionadas com o incentivo advindo do pastoreio.

A industria foi-se desenvolvendo e a Covilhã marcou a sua posição no mapa económico nacional pela sua importância na área têxtil, a sua paisagem tornou-se “industrializada” e a cidade começou a crescer tanto fora como dentro das muralhas transformando-se numa cidade única em termos de evolução urbana, e assim foi até a década de 70 do século passado, altura em que a industria dos lanifícios sofreu um terrível revés.

Mas a Covilhã não se deixou quebrar, apostando no ensino com a conversão do Instituto universitário em Universidade e trazendo milhares de estudantes de todo o país à cidade.

O século XXI traz nova vida e novos projetos à Covilhã que aposta numa nova visão arquitectónica, com a construção de alguns equipamentos que demonstram essa visão de futuro como é o caso da vertiginosa Ponte Pedonal sobre a ribeira da Carpinteira, com 52 metros de altura, 220 metros de comprimento e 4,40 metros de largura, medidas que fazem dela uma das maiores de Portugal.

ponte-carpinteira-perfil

Ponte Pedonal

Uma ponte destinada ao ciclismo e à caminhada, construída sobre o vale da Carpinteira e as colinas de granito do fluxo do rio, onde as fachadas das fabricas vazias e as paredes de secagem de lã podem ser observadas, e que ziguezagueia no seu sinuoso desenho com uma tensa geometria que interfere com a orientação visual e com a percepção das alturas dominantes da Serra da Estrela e da vastidão da Cova da Beira.

Quem passeia pela Covilhã tem de preparar as pernas para o que o espera.Terá de subir e subir muito. Podemos sempre utilizar o Funicular Santo André que nos ajuda a subir 90 metros até ao topo da cidade, mas não é a mesma coisa.

Na Covilhã nasceram navegadores e cosmógrafos como Pêro da Covilhã, os irmãos Francisco e Ruy Falerio, ou o mestre José Vizinho, ainda homens das artes como Frei Heitor Pinto, Eduardo Malta, Cosra Camelo ou António Alçada Baptista.

Quando visitar a Covilhã não deixe de conhecer o Museu de Lanifícios.

Aqui encontramos o legado deixado por oito séculos de ligação à lã, sendo atualmente o centro de interpretação da Rota da Lã Translana que, com destaque para a Covilhã, não deixa de fora locais como Manteigas, Gouveia, Seia, Pinhel, Guarda e Penamacor.

museu

Museu de Lanifícios

O Museu de Lanifícios integra três grandes núcleos: o Núcleo da Real Fábrica de Panos, focalizado no período da pré e proto industrialização dos lanifícios (século XVIII), o Núcleo da Real Fábrica Veiga/Centro de Interpretação dos Lanifícios, com as valências de Núcleo Museológico da Industrialização dos Lanifícios (sécs. XIX e XX) e de Centro de Documentação/Arquivo Histórico dos Lanifícios, e ainda o Núcleo das Râmolas de Sol, um espaço ao ar livre constituído por um conjunto de râmolas de sol e um estendedouro de lãs.

Ao visitar o Museu é possível ficar a conhecer, para além dos edifícios das antigas fábricas, as colecções de máquinas, equipamentos, utensílios, produtos têxteis (lãs, fios, amostras têxteis, tecidos e peças de vestuário) ou ainda documentos textuais, cartográficos e iconográficos, patentes tanto na exposição permanente como em diversas exposições temporárias.

O Futuro

Mas a Covilhã não é daquelas cidades presas a um passado que fora de prosperidade, vivendo a pensar no que foi e não no que poderá ser.

Na Covilhã olha-se para o futuro e isso sente-se em todas as ruas, mesmo nas mais antigas, esta é uma cidade jovem, cheia de energia e que se quer destacar no panorama nacional, demonstrando que há muito no conceito de “cidade de montanha”.

É uma cidade que passa o exemplo de como nos podemos levantar e enfrentar o futuro por muito pesado que seja o presente. Isso vê-se nas fachadas das casas que outrora se deixaram ruir e que ganham nova vida – e que vida – com pinturas espantosas que demonstram que a Street Art é um dos meios para a renovação da cidade.

IMG_1549-cópia

Mural de Património da Covilhã

Estes murais são injeções de energia de uma beleza que comove, e aquilo que ainda é visto por muitos como uma arte marginal ou mesmo vandalismo, é encarado na Covilhã, por todos os seus habitantes, como um cartão de visita e como uma expressão de arte que reflete este reinventar que a cidade é!

A lã ainda vive na Covilhã, apesar de ter estado bem perto do fim. A industria reinventa-se e não chora as suas mágoas, muito pelo contrário, são vários os nomes que vincam a posição da lã, transformando-a em arte e em produto de qualidade superior, autenticas pérolas de design que refletem o modernismo da Serra da Estrela.

O Burel está na moda e é um produto que surpreende a industria e os criadores que encaram este tecido associado, antigamente, aos pastores, como um produto de elevada qualidade e muito nobre.

new-hand-lab-la

New Hand Lab

O New Hand Lab é o exemplo da visão de futuro da Covilhã para a lã.

Trata-se de uma empresa sustentável de tecnologia criativa e apaixonada, que apoia jovens designers, estilistas de moda fotógrafos e artesãos.

É um lugar feito por e para que os criadores locais possam desenvolver os seus trabalho, de forma completamente livre, tendo por base uma abordagem do séc. XXI.

Podíamos falar dos monumentos e das igrejas da Covilhã, ou falar das paisagens maravilhosas sobre a Cova da Beira que se vislumbram cá do alto e que inspiram quem as vê. Até podíamos falar das noites animadas nas ruas com bares e cafés que fazem as delicias da juventude que circula pela cidade. Mas não. Não falaremos acerca disso.

Não olhemos para o passado da Covilhã.

Pelo menos, não neste artigo.

Olhemos para o futuro, porque é lá que a Covilhã está. A “cidade de montanha” aposta no ensino de qualidade que se atesta na oferta da Universdidade da Beira Interior e nas parcerias que ela tem desenvolvido com as mais diversas entidades.

O futuro da Covilhã encontra-se no Parkurbis, o Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã e que é um instrumento de estimulo e de desenvolvimento da região, orientado para a criação de um clima de inovação permanente, potenciando a transposição para o mundo dos negócios, dos processos de conhecimento científico e tecnológico gerados nas instituições de investigação.

A UBIMEDICAL é também um dos exemplos da Covilhã orientada para o futuro. Trata-se de uma infraestrutura direcionada para a investigação científica e para o desenvolvimento tecnológico de incubação de projetos empresariais com transferência de tecnologia, instalação de start-ups e spin-offs de desenvolvimento de novos produtos.

A Covilhã é orientada para o que aí vem, mas não é por isso que esquece o que já foi.

A gastronomia regional continua a ser um dos principais aspetos que a prende ao passado serrano de outrora, e ainda bem que assim é para bem da nossa gula. Aqui encontramos os melhores queijos e enchidos da Serra da Estrela e a certeza é a de que, entre em que restaurante entrar, a comida será maravilhosa.

CasaHist

Casa da História

Também o turismo tem vindo a diversificar-se, apostando no facto de ser a cidade mais próxima da Torre, e mesmo que por aqui já não haja os nevões de antigamente ou as temperaturas sejam muito agrestes, a sua ligação à neve é ainda muito presente na memória dos turistas e continua, e continuará, a ser uma cidade de montanha, mas uma urbe que se quer moderna e cosmopolita mas sem perder a sua identidade, isso reflete-se no alojamento que tem disponível, com destaque para o restauro de edifícios com história, como o caso da Pousada Serra da Estrela ou da Casa com História que aposta no alojamento de charme e que é o perfeito exemplo do que a Covilhã é hoje – uma cidade de montanha, moderna, jovem e cosmopolita.

 

Fotografias: visitcentroportugal, casacomhistoria, sempreadescer.blogspot, wollfest.org, altiasi

 

 

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *